Conheça as melhores carreiras em tecnologia

Twitter
Compartilhe:

Talvez você não se lembre, mas há 15 anos, “trabalhar com computadores” era certeza de sucesso e escolas de informática tinham um público muito mais jovem e diverso, pais incentivavam os filhos a cursarem carreiras na área e a falta de profissionais fazia os salários ficarem nas alturas.

Será que esse conceito mudou? É verdade que há muito mais gente qualificada para trabalhar com computadores, especialmente porque hoje todo mundo trabalha usando um. No entanto, o mercado ainda paga bem a profissionais com qualificações excelentes – afinal, agora toda empresa precisa de uma área de T.I., programadores são cada vez mais necessários e outras áreas menores, como design de games, crescem todos os dias. As carreiras na área de T.I. continuam aparecendo no topo em listas de profissões mais bem pagas. Por isso, se você se interessa pela área, ainda vale a pena perseguir a profissão.

Saiba mais:
9 dicas para aproveitar o melhor do seu tablet
4 maneiras como impressoras 3D mudarão sua vida

Tire suas dúvidas sobre as principais carreiras na área:

hardware

Ciências ou Engenharia da Computação
Duração média: 5 anos
Salário médio inicial: 2.574,00
O engenheiro de computadores projeta computadores, acessórios e periféricos – ou seja, tudo relacionado a hardware. Já o cientista de computadores tem foco em software. Os dois cursos têm semelhanças, matérias em comum e os profissionais trabalham lado a lado. O profissional da área pode trabalhar em empresas de projeto de software ou hardware e também como consultor. Uma desvantagem da área é a necessidade de se aperfeiçoar constantemente, já que a todo momento surgem tecnologias novas das quais o profissional precisa tomar conhecimento. De acordo com especialistas, manter-se em dia com as novas linguagens em tecnologias é o jeito mais eficiente de ter sempre uma vaga a disposição.

O analista de qualidade Erik Volpert, de 26 anos, já trabalhava na área de games quando resolveu que precisava de uma qualificação acadêmica para conseguir uma promoção. Ele escolheu Ciências da Computação e não se arrepende. “Me agrade o fato de o curso não ter respostas tão subjetivas. Se [uma solução em software] funciona, ela funciona. Quero ser engenheiro de software na área de games, por isso escolhi o curso”, conta.

servidores

Sistemas de Informação (ou Processamento de Dados)
Duração média: 4 anos
Salário médio inicial: 2.600,00
O bacharel em Sistemas de Informação é responsável por gerencial o fluxo de informações geradas por uma rede. Entre as tarefas, estão o planejamento da distribuição desse fluxo, o processamento e a possível recuperação de informações necessárias, por exemplo. O profissional de sistemas de informações também pode ser responsável por gerenciar banco de dados e criar e instalar programas. A vantagem de cursar essa faculdade é a variedade de empresas em que é possível trabalhar: indústrias, bancos, seguradores e consultorias na área de TI, por exemplo, são algumas delas. No entanto, é preciso ter bom inglês para operar os sistemas nessa língua, que são maioria, e permanecer sempre atualizado quanto aos novos recursos e tecnologias.

O consultor técnico Diego Aguirre, de 34 anos, fez um curso técnico de eletrônica e decidiu aprofundar os conhecimentos em um curso de Processamento de Dados. “Escolhi a faculdade por ser, na época – mas ainda é – um campo promissor, dinâmico, que exige atualização a cada três anos no máximo e tem remuneração bem acima da média. A faculdade me proporcionou networking com profissionais reconhecidos na área e visão para escolher o nicho que vim a me especializar depois, incluindo os cursos complementares para certificação”,

servidor
Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Duração média: 2 a 3 anos
Salário médio inicial: 2.000,00
O analista de sistemas trabalha lado a lado com o bacharel em Sistemas de Informação. É ele quem projeta, analisa e implementa os sistemas de empresas de todos os setores de atividade, assim como o tecnólogo de sistemas. O profissional precisa conhecer bem o hardware, isso é, o equipamento, para encontrar as melhores soluções em estrutura de banco de dados para a empresa. Também é possível trabalhar como consultor.

videogame

Design e programação de jogos ou Informática para gestão de jogos
Duração média
: 3 a 4 anos
Salário médio inicial: 1.500,00
É um dos mercados mais promissores na área tecnológica, porque o Brasil já é o quarto mercado de games no mundo e a tendência é crescer mais. No bacharelado (Design e programação de games), o estudante vai ter aulas nas áreas de arte – desenho, ilustração, pintura – e também em áreas mais técnicas, como programação e mecânica de jogos, já que o curso pretende formar profissionais aptos a criar um jogo do zero.

O curso mais técnico, Informática para gestão de jogos, dura menos e cobre apenas a área tecnológica da criação de games, com programação, algoritmo e matemática para jogos. O profissional formado pode trabalhar como sonoplasta, artista, projetos ou programador de jogos em empresas do ramo. É fundamental ter inglês fluente, e espanhol também é uma importante: algumas das maiores empresas de desenvolvimento de games do mundo estão na América Latina.