Como a internet ajudou a me tornar empreendedor

Twitter
Compartilhe:

Você certamente conhece alguém que tentou empreender em um negócio online. De e-commerce a blogs profissionais, passando por serviços diversos e aplicativos, as oportunidades de negócios criadas pela internet são vastas e cada vez mais pessoas, especialmente os jovens, estão aproveitando essa efervescência para botar a mão na massa, realizar um projeto e ter um negócio próprio.

Em maio desse ano, um relatório divulgado pela consultoria Global Enterpreneurship Monitor, que mapeia 54 países, identificou que o Brasil já é o lugar com o maior número de empresas abertas a cada ano. Isso se deve a popularização de formatos fiscais mais acessíveis, como o MEI (Micro Empreendedor Individual), por exemplo, mas também à popularização da internet, de acordo com o relatório. Esse novo empreendedor brasileiro é conectado e jovem, de acordo com uma pesquisa do Sebrae no fim de 2012: 88,5% deles têm menos de 35 anos.

O velho e o novo

Esses novos empreendedores estão trazendo ao mercado novos paradigmas de uso da rede para ganhar dinheiro. E enquanto muitos têm empresas que funcionam diretamente pela internet, outros mostram que a web tem papel fundamental para reformular conceitos e trazer originalidade para negócios não necessariamente digitais. É o caso do empresário Danilo Miranda, de 28 anos. Comunicólogo, ele e um sócio fundaram há dois anos a Me Gusta, casa especializada em hambúrgueres em Canela (RS). “Tenho paixão por comer e beber. Vivia projetando mentalmente um negócio idealizado por mim, do jeito que eu achava ideal e maneiro”, contou.

A internet ajudou-o a tirar esse sonho do chão. “Usei muitas referências de hamburguerias pelo mundo e no Pinterest, além de ideias de iluminação, decoração e até apresentação dos sanduíches”, conta. Esse é o papel da rede em um negócio digital em um primeiro momento: servir como fonte de inspiração e referências. Em seguida, a internet muda de papel e se torna principal aliada do negócio na divulgação. “Temos site, Facebook, fazemos investimento em anúncios na rede para crescimento da página e para aumentar o alcance de promoções e novidades no Facebook. Isso dá muito resultado”, explica ele, que também conta com um perfil no site Trip Advisor, onde recebe avaliações de clientes sobre seu serviço.

Outros empresários dependem ainda mais da web para manter seu negócio de pé. Paulo Verdú Junior, 27 anos, é o diretor da MondoCão Filmes, uma produtora de vídeos para a web, e se orgulha: 90% das captações de clientes vêm através da web. “Primeiro, de viralização orgânica, ou seja, o famoso boca a boca. Depois, pagamos publicidade no YouTube. E fazemos branding da marca fixando o logo nos vídeos que produzimos e também em canais das redes sociais”, conta ele.

“Nunca teria acontecido nada sem a internet”, aponta, sobre seu negócio. Na MondoCão todo o trabalho, da concepção a execução e divulgação, depende da web. Verdú explica que usar o logo da produtora no material produzido costuma ser uma prática rejeitada por outras mídias, mas é bastante comum na internet e trata-se de uma maneira inédita de trazer os holofotes um pouco para quem, tradicionalmente, ficou escondido atrás das câmeras: a equipe de produção do vídeo.

A web está tão entranhada na cultura da MondoCão que, de acordo com Verdú, 90% dos contatos de clientes são feitos por Whatsapp ou e-mail: telefone é raridade. E toda a entrega é feita via YouTube, sempre. “Não me recordo a última vez que entreguei algo em DVD físico. Usamos servidores de upload. Chegamos a fazer de 10 a 20 trocas de links de vídeo por dia com um único cliente, as alterações no material são solicitadas em tempo real e enviadas em prazo recorde, hoje impossível via mídia física”, analisa ele.

100% digital

O enjoei.com.br, site de venda de artigos usados, é um dos grandes cases de empreendedorismo digital no país. O site começou como um blog pessoal para que a dona pudesse se desfazer de coisas usadas e hoje tem mais de 2 milhões de fãs no Facebook. Em um perfil do projeto Continue Curioso, os fundadores contam que viram um blog despretensioso virar um negócio e, depois de três anos gerenciando pedidos e pagamentos de maneira manual, decidiram profissionalizar o negócio. O Enjoei é hoje uma das marcas de e-commerce mais famosas do país e é, em seu próprio conceito, um negócio 100% digital.