Garanta sua segurança na hora de comprar online

Twitter
Compartilhe:

Se você não compra pela internet de jeito nenhum, você é uma exceção em 2014. Em 2013, só no Brasil, o mercado de e-commecer movimentou 29 bilhões de reais, um crescimento de 28% em relação ao ano anterior. Cedo ou tarde, você pode acabar cedendo. Mas como fazer isso sem arriscar seus dados ou comprometer sua privacidade? Conversamos com o especialista em segurança da informação Vinicius K-Max, que deu dicas sobre como estar alerta e consciente para comprar pela internet:

- Mantenha-se bem informado, atento e conheça o ambiente onde você está consumindo e onde você navega. Familiarize-se com a internet, leia notícias e posts para aumentar sua capacidade de interpretar textos e contextos. “Usuários de serviços e lojas online precisam entender que sua segurança depende de um processo que também deve passar por seus costumes e atitudes, e não há software que ofereça 100% de segurança ao ponto de dispensar certa dose de discernimento e atenção. Portanto, todos que estão dispostos a comprar online devem também se dispor a ficarem atualizados sobre boas práticas de segurança e quais são os golpes e ameaças do momento”, diz K-Max.

- Antivírus não é a resposta pra tudo, nem firewall. “A triste verdade é que muitas vezes essa popularidade [do software] é conquistada mais graças ao marketing agressivo do que a eficácia e desempenho do programa. O ideal é gastar alguns minutos buscando qual se saiu melhor em testes comparativos independentes e considerar preferi-lo sobre os demais”, avalia.

- Fuja das lojas pequenas, a não ser que você tenha recomendação de um amigo sobre a procedência do serviço. “Mesmo assim, é importante investir sempre alguns minutos pesquisando o nome da loja e procurando encontrar online por possíveis queixas de clientes insatisfeitos em sites como o Reclame Aqui”, diz ele.

- “Selo de segurança” não quer dizer necessariamente nada. Você já deve ter visto em algumas lojas online aqueles selos com certificados de segurança. “Eles não devem ser vistos como garantia de que o site é legítimo ou invulnerável a hackers. Eles são colocados ali, pois comprovadamente aumentam as vendas da loja ao transmitirem certa sensação de segurança ao usuário, mesmo que falsa. Como são simples imagens, ironicamente acabam sendo a primeira coisa que golpistas e lojas fraudulentas costumam forjar com grande facilidade”, explica K-Max.

- Procure a melhor plataforma de pagamento. Vale a pena se informar sobre o sistema de pagamento antes de inserir seu número e cartão. “Novas plataformas não gozam da tradição de uma solução mais antiga, mas oferecem um melhor suporte, além de taxas mais baixas”, recomenda.

- Por fim: em caso de fraude, alerte seu banco e peça reembolso. O banco tem obrigação de reembolsar o cliente em seu prejuízo completo em caso de fraude. No Brasil, entende-se que a responsabilidade pela falta de segurança que permitiu a fraude é do banco. Caso você note qualquer compra indevida na fatura do cartão, informe o banco de que você não a reconhece como sua, diga que desconfia de fraude e peça o reembolso.